F1: Maserati segue a Alfa?
07/12/2017 15:18
Jorge Girão

Segundo alguns rumores, também a Maserati poderá fazer a sua entrada na Fórmula 1 já no próximo ano, num acordo semelhante ao da Alfa Romeo, mas no caso da marca do tridente com a Haas F1 Team.

Sérgio Marchionne, o CEO da FCA – companhia que detém o construtor de Modena –, está apostado em incrementar o seu poder na categoria máxima do desporto automóvel e depois de ter assegurado uma colaboração entre a marca de Arese e a Sauber – que passará a ser conhecida como Alfa Romeo Sauber F1 – prepara-se para fazer a mesma coisa com a Maserati.

Segundo os boatos, o logo do construtor do tridente cobrirá o capot-motor dos Haas sob um fundo azul, uma cor cara à Maserati, muito embora os motores usados pela equipa norte-americana continuem a ser chamados de Ferrari.

A marca transalpina pagará à Haas F1 Team cerca de vinte milhões de euros, que no fundo irão para os cofres de Maranello para pagar as unidades de potência que Romain Grosjean e Kevin Magnussen usarão ao longo da próxima temporada.

A formação norte-americana, de acordo com os rumores, passará a ser conhecida como Maserati Haas F1 Team, alcançando Gene Haas o seu primeiro patrocinador na Fórmula 1, uma vez que a equipa tem vindo a ser custeada pela Haas Automation, a empresa de ferramentas automatizadas do americano.

Grosjean e Magnussen serão os pilotos da equipa, uma vez que os homens da Haas nunca se mostraram interessados em ficar com jovens promessas da Ferrari Academy, tendo neste aspecto Marchionne muito pouca margem negocial, uma vez que ao contrário da Sauber, a formação de Charlote não tem dificuldades financeiras.

Contactada pelo SporMotores.com, a Haas F1 Team não confirmou nem negou a possibilidade, confirmando a existência de contactos. ”A equipa tem discussões exploratórias com uma mão cheia de marcas tendo em vista parcerias futuras. No entanto, todas as conversações estão num estágio inicial e sem nada a reportar neste momento”, afirmou um porta-voz da formação norte-americana.

A Maserati tem um longo historial na Fórmula 1, tendo vencido o Campeonato do Mundo de 1957 através de Juan Manuel Fangio, com o icónico 250F. Para além disso, a marca transalpina forneceu motores à Cooper durante os anos sessenta, tendo John Surtees vencido o Grande Prémio do México em 1966 e Pedro Rodriguez o da África do Sul de 1967.

Com o advento do Cosworth, os motores da Maserati ficaram desactualizados e em 1969 a marca de Modena abandonou definitivamente a Fórmula 1.

A Maserati foi contactada pelo SportMotores, mas não se mostrou disposta a comentar, até à data.
Links Relacionados